SUCESSO

Ações em alta colocam 13 herdeiros da Weg entre os bilionários brasileiros

12/10/2020 08:00:00

Reportagem do Estadão destaca o vertiginoso crescimento da empresa e a consistência de sua operação

Ações em alta colocam 13 herdeiros da Weg entre os bilionários brasileiros
Werner Voigt, Eggon da Silva e Geraldo Werninghaus, fundadores da Weg, na capa do Estadão. Foto: Weg/Divulgação

O Estadão publicou ontem reportagem especial sobre o Grupo Weg, destacando que dos 33 novos bilionários brasileiros, segundo a mais recente lista divulgada pela revista Forbes, quase um terço – dez – estão ligados à gigante industrial catarinense.

A reportagem destaca que a empresa familiar, fundada por três descendentes de alemães em 1961, agora tem 13 herdeiros no seleto clube do bilhão e que essa ascensão está relacionada à impressionante valorização das ações da empresa nos últimos 12 meses, que supera a marca de 240% e elevou seu valor de mercado para mais de R$ 150 bilhões.

 

OS PRINCIPAIS TÓPICOS DA REPORTAGEM

 

  • Há tempos a companhia é considerada um investimento seguro, por seus sólidos e constantes resultados, mas de um ano para cá o mercado financeiro despertou de vez para seus predicados. 

  • Apesar da pandemia do novo coronavírus, o papel da Weg subiu 120% neste ano, de acordo com a Economática, liderando a lista de companhias com maior valorização no Ibovespa, principal índice de ações da B3, a Bolsa paulista.

  • A inclusão dos herdeiros dos fundadores na lista de bilionários tem razão de ser. Apesar de estar listada na Bolsa desde 1971, quase dois terços da Weg continuam a pertencer, direta e indiretamente, aos familiares de Werner Ricardo Voigt, Eggon João da Silva e Geraldo Werninghaus (os três já falecidos). 

  • Inicialmente criada como Eletromotores Jaraguá – referência a Jaraguá do Sul, cidade que até hoje abriga sua matriz –, alguns anos depois a empresa recebeu o nome atual, Weg, aproveitando as iniciais dos nomes dos fundadores. Weg também quer dizer “caminho” em alemão.

  • A Weg é constantemente citada como um “oásis” de prosperidade no cada vez mais combalido setor industrial brasileiro. Em recente entrevista ao Estadão, o presidente da Itaúsa, Alfredo Setubal, classificou a empresa como uma “outlier” – um ponto fora da curva. 

  • Reconhecida nos quesitos cultura organizacional, recursos humanos e inovação, a Weg se viu beneficiada por uma confluência de fatores positivos em meio à turbulência da covid-19.

  • Segundo a analista Thais Cascello, do Itaú BBA, a companhia mostrou resiliência à crise no segundo trimestre por ter sido beneficiada pela performance do negócio internacional, especialmente em produtos de “ciclo longo”, como motores para indústrias e usinas produtoras de energia. 

  • Com 61% da receita arrecadada fora do País, a companhia viu sua receita em real ser inflada pela recente disparada do dólar. Resultado: a geração de caixa atingiu R$ 732 milhões, alta de 36% em relação ao mesmo período de 2019.

  • Em recente relatório, o Itaú BBA redobrar a aposta nesse ciclo positivo para os resultados do terceiro trimestre. 

  • O banco coloca a Weg como provável líder em resultados entre julho e setembro e menciona que a empresa pode bater recordes no período. Isso porque outros fatores favoráveis se somam ao quadro do trimestre anterior.

  • Ao fim de 2019, a companhia tinha 58% de seus negócios fora do País. 

  • Hoje, a Weg tem 30 mil funcionários pelo mundo, sendo 12 mil no Brasil.

  • Outra característica da Weg, segundo analistas, é a consistência da operação. E isso se reflete em uma longeva equipe de executivos que, assim como o atual presidente, foi criada dentro de casa. 

  • Em 59 anos, a empresa teve só três presidentes: o cofundador Eggon João da Silva, seu filho Décio da Silva e, agora, Schmelzer Júnior.

  • A estratégia de crescimento da Weg sempre priorizou a absorção de tecnologia e a criação de novos negócios correlatos à atividade principal.

  • Seguindo as necessidades de seus clientes em motores, a empresa catarinense se tornou também uma força na área de geração de energia, que hoje representa mais de um terço de sua receita total. acaba desperdiçada quando o sistema não consegue absorver a oferta.

  • Dentro da proposta de buscar segmentos correlatos, a companhia também anunciou recentemente sua entrada no desenvolvimento de motores elétricos para veículos.

 

IMPÉRIO CONTABILIDADE

Somos um escritório contábil com sede em Blumenau. Estamos há dez anos no mercado.

Auxiliamos de pequenas a grandes empresas desde a sua constituição e durante todo o seu processo de crescimento.

Whats: (47) 32327157 - Fones: (47) 3232-7157 e 3237-7569

www.imperiocontabilidade.com.br - contato@imperiocontabilidade.com.br

 





Com R$ 3,5 bilhões sob custódia, Veedha investe em Florianópolis

Empresa é um dos principais escritórios de investimentos da XP